segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Fôlego


Eu entendo cada um dos pecados capitais. Mesmo. Luxúria, como não? Inveja, ira, avareza, preguiça, orgulho, gula. Tudo tão humano. Essa fome de sentir, de viver, de tentar garantir alguma completude, de tentar vislumbrar alguma felicidade. Mas eu realmente tenho dificuldade de lidar com a falta de gentileza.

Outra coisa que entendo: que o vislumbre da finitude seja aterrador. O que tenho dificuldade de lidar: a forma tosca como a sociedade tenta esconder o tema embaixo de um tapete tecido às custas de galhofa, zombaria e desprezo pelo corpo das pessoas velhas.

Status de relacionamento: volto mais cedo da farra pra ver os gols da rodada. 

O pecado capital do fim de semana, inclusive, foi a inveja. Comecei a reparar em um tanto de pessoas vivendo vidas que eu não vivi. Não estou bem certa do que tenho inveja exatamente. Por uma série de escolhas e valores e desejos, abri mão delas. Hoje, se me fossem oferecidas, voltaria a recusar. E, ainda assim, a inveja. De alguma coisa que eu nem sei se está lá. Durma-se com um barulho destes.




E tem o medo. Aquele. De sempre. Que por mais presente que seja, nunca me acostumei com a companhia. Que assombra ainda mais os dias que as noites. Confundo com preguiça. Apelido de procrastinação. Disfarces para ver se o distraio. Ou me engano. E, ainda assim, seu constante hálito frio.

As coisas que a gente aprende prestando atenção. Todas as vezes que revejo Grey’s eu tenho dificuldade de seguir do último episódio da terceira temporada (quando Burke e Cristina não casam) e o primeiro da quarta. Eu vejo outras séries. Leio livros. Assisto filmes. Até trabalho. Procrastino. São minhas férias no Havaí. Que a gente nunca sabe direito o que lá aconteceu. Ou suspeita que nada aconteceu. Mas que precisa ter existido para tomar fôlego.

Eu viajei com minha cunhada. Fomos ao Louvre. Em determinado momento, depois de muitas salas, quadros, esculturas, painéis, ela virou pra mim e disse: deu. Vamos embora. Não aguento mais tanta beleza. Já não estou conseguindo apreciar. Achei de uma incrível sabedoria. Esta semana eu vi Versailles. E sentia exatamente isso ao fim de cada episódio. Que precisava ir embora da série. Havia beleza demais nos cenários, roupas, atores. Para usufruir de verdade eram necessários intervalos. Trapped, então.

A beleza é o véu que esconde o horror. O horror da morte, da falta, da impossibilidade. Encobre, principalmente, o Nada.

A vida é o que me acontece entre uma viagem e outra.  


quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Cresce feito mato

No jardim das vidas não vividas, arrependimento é mato.

Aquela dúvida entre comida gostosa e sujar a cozinha limpinha.

Ontem passou na minha tl uma imagem do filme “As 7 Caras do Dr. Lao”. E eu fiquei pensando no quanto fui sendo despretensiosamente forjada por tantas sessões da tarde e corujões. Tenho absoluta convicção que eu nem seria eu sem ele. Aprendi sobre pessoas enzimas catalisadoras. Sobre desejo. Sobre a mágica das/nas desimportâncias. Aprendi sobre a importância do olhar do Outro, do reconhecimento do Outro pra que nossa própria magia aconteça. E aprendi sobre como encarar a compreensão de um futuro de solidão e esquecimento com, como direi, elegância?

Acho que desaprendi a viver o cotidiano. Apesar disso aquela alegria levinha de encontrar a amiga na porta do shopping.

você lembra, lembra, naquele tempo eu tinha estrelas nos olhos...

Não sou de nostalgias, mas sinto saudades da psicanálise.

Assistindo Trapped e pensando que morar no semiárido nem é de todo mau.



Vira e mexe é preciso recordar:

"Sabe porque, visconde, nunca tornei a me casar? Decerto não foi por falta de encontrar partidos vantajosos; foi simplesmente para que ninguém se desse ao direito de questionar meus atos. Não que eu temesse não poder mais realizar minhas vontades, pois isso eu sempre acabaria por fazer; mas me incomodaria o mero fato de alguém sentir-se no direito de queixar-se; e enfim, porque queria trair apenas por prazer, e não por necessidade"

...e às vezes é muito, muito difícil, sustentar.




domingo, 27 de agosto de 2017

O Lobo e o Leão

Eu não sei com quantos anos a gente começa a fazer retrospectivas e avaliações e talz. Acrescente-se o fato de que minha memória é péssima. Mas, assim, olhando só o que ainda é recente: tantos moços casadoiros.

Está tendo jogo do Flamengo e eu aqui me roendo por não ser sócia-torcedora nem ter mais de 300 reais pra ir assistir ao jogo final.

E aquela vontade de largar tudo e mergulhar em Grey's pra lembrar como é sentir a vida?

No fim de cada intervalo de jogo: "Flamengo é o mesmo". E a impressão de que a vida vai ser um eterno dia da marmota com ocasionais escapadas de avião?


  
Pensando aqui que a série acelerou ou despertou uma certa simpatia por Jaime Lannister e Jorah que, só pelo desenvolvimento dos livros, demoraria ou nem chegaria a aparecer, pela forma como se relacionam com o Ned.

Então, episódio 5. Achei bem incompleto o Torneio da Mão na série. Ok, mostrou que o moço morreu por obra Lannister e fez Mindinho ter uma ou duas piadas, entretanto o espírito do torneio, a sensação de que é uma pálida sombra da verdadeira batalha, com suas mortes mas também com admirações mútuas entre combatentes, etc ficou meio vago. Mas nada que termine com a ovação do Clegane é de todo perdido. Além disso neste episódio temos um pouco de tempo de tela do Bronn – o suficiente pra ganhar meu apreço.

Uma coisa que me incomodou muito na transposição, do livro pra série, do diálogo do conselho sobre matar ou não Daenerys enquanto estava grávida e talz. Na série faz parecer que Ned é contra porque é um boato de Jorah e não porque a idéia em si o repugna. No livro vemos claramente que ele é contra qualquer violência com “civis”, especialmente crianças e talz. Seguida a esse momento tem a única decisão do Ned que questiono. Ele deveria ter partido, não ficado mais um momento pra ouvir intriga de Mindinho (e ainda daria pra ter zils páginas depois, mas não seria a mesma história, né, Welbs). O que ele ganhou além de uma perna machucada? Por outro lado gostei bastante da cena do Renly com o Cavaleiro das Flores (a depilação) e da conversa sobre treino e dom e ser mimado.

Dos desperdícios e esquecimentos: aquela cena do Varys com Ilyrio, os dois conspirando, rola um "nós" mas depois isso se perde nas temporadas seguintes e hoje temos Varys dizendo que sempre foi #TeamDaeneryzzz. 

Das boas adições: este papo Robert e Cersei foi uma beleza de ritmo, texto, direção e interpretação dos atores. A frustração de Robert, a perda de sentido, a frieza autoimposta de Cersei, tudo tão dolorido.


Relendo e revendo cheguei na parte em que Tyrion fica preso no Vale e comecei a lembrar, gente, como ele sofre ao longo da história, né. A gente (a gente sou eu) repara nas dores de Arya e Sansa e talz, mas talvez Tyrion seja o que mais apanha nesse Jogo. 

sábado, 26 de agosto de 2017

Aleijados, Bastardos e Coisas Quebradas

Sim, eu queria saber. Que palavras, que sons, que caminhos sua voz traria? Faço piada porque tenho receio que você saiba o sim que há em mim. Aí venho ao megafone, entre medo e esperança que o eco te alcance. Não é difícil me entender. 

Eu podia ter nos feito felizes. Eu deveria?

Quando não há mais nada a fazer além de seguir.

Começaria tudo outra vez.

Está quase minha viagem (curta, infelizmente) pro Rio. Vou sem dona, o que me deixa um pouco ansiosa (saudades, Rê). Mas tem uns risos prometidos: a hospitalidade do Cláudio, a companhia da Dani e seus olhos virgens do Rio, Babi eu te amo pra caralho Lopes, o jogo com Napaula. Encontros.

Duas vidas, ou mais. Pra viver como vivi e pra fazer outras investidas. Mas não é esboço, disse o Kundera, dolorosamente correto.

**********************

No livro já passei pelo excelente capítulo sobre o ponto de vista da Arya (aquele que ela acaba fora do castelo) e como ela é criança! Ágil, sagaz, corajosa, mas tão, tão criança que quando se depara com uma informação relevante não sabe transmitir. E no capítulo seguinte: “Você esqueceu quem é o rei aqui?” “Não, e você, esqueceu?”. Ned, como você é maravilhoso (é, tempo presente, porque mesmo morto ele sempre será).

Muitas pessoas chamam o Ned de burro porque ele não foi escorregadio com Cersei, porque ele não traiu seus princípios e fez um acordo, etc. O que chamam burrice eu admiro como honra. Coerência. Ele tinha aberto mão do cargo de conselheiro por não concordar com a decisão de matar Daeneryzzzz (se ele soubesse como me dá sono talvez tivesse mudado de idéia). Com isso se colocava em risco, assim como a toda sua casa, desafiando o rei. Por princípios. Um rei que ele amava. Um rei de quem tinha sido amigo por tempos. Se não arregou pra Robert, porque mesmo ele abriria mão de seus valores por gente menos valorosa?


Episódio 4: neste episódio apresentam o Sam então todas as críticas ficam menores ante a incrível pertinência do ator e sua interpretação para este personagem cativante. É legal como a amizade dele e Jon se forma (ainda mais nos livros, mas paciência) e de quebra ganhamos a participação do Fantasma, yay, Fantasma, que alegria encontrar um dos lobos. Isso não significa que dá pra ignorar como trabalharam mal o personagem do Robb. Mó tristeza de ver parecer apenas arrogante o que é insegurança juvenil, crescimento, indecisão, raiva por imaginar estar diante de alguém que machucou o irmão, etc. Já a cena do Tyrion cutucando o Theon foi interessante, serviu pra contar um pouco da história que antecede o que estamos vendo. Aí tem o Ned cada vez mais desajeitado na sala dos cristais. E a boa conversa do Jaime com o comandante da guarda dos Stark (que é meio inocente, tadinho). O papo revela bastante do Jaime, como ele vai se tornando mais aberto e afável ao falar da batalha, como ele admira o Thoros e ainda tem o momento vidente: “Theon é um bom rapaz”... “Duvido”. 

Três coisas irritantes: achei um desaforo colocarem o Mundinho pra contar a história do Cão. Era uma conversa entre Sansa e Clegane que serviria pra apresentar nuances dos personagens, umanizá-los e tal. Da forma que foi não acrescentou nada, ok, o Mindinho é fofoqueiro e gosta de intriga, mas quem não sabia? Segundo: a conversa sem pé nem cabeça entre Ned e Cersei... se era pra demarcar que Lannisters e Starks eram inimigos, ué, já estava mais que esclarecido. E para mais nada serviu. Por fim, como a Daeneryzzz é interpretada de forma inconsistente, mesmo fraca. Fico espantada que tanta gente goste, fico mesmo. O diálogo dela com Jorah, aibatinomeuirmão e depois a carinha de nada, olhando pro tempo, que sono.



sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Lord Snow

O bom de reler é que a gente (a gente, sempre eu) vai reencontrando os rastros da origem dos nossos sentimentos. Uma página, outra e de repente a gentileza de Sansa com o Cão de Caça quando ele lhe conta o motivo do rosto destroçado, a forma sutil como ela torceu por ele contra o Regicida. Mais umas linhas e lá está Clegane defendendo o Cavaleiro das Flores e lutado honrosamente contra o irmão, sem nunca atingir sua cabeça descoberta, mesmo que o Montanha não se atenha a regra nenhuma. Se hoje Sansa, Cão, Sam, por exemplo, estão na lista dos meus amores é porque me provocaram ternuras. Eles tem brechas. São vulneráveis. Uma vez eu escrevi a impossibilidade de conhecer do que é feito o amor, já que para empunharmos o bisturi em autópsia e estudarmos sua anatomia, é preciso que ele já esteja morto. Mas não se aplica a este amor que sentimos por personagens, vínculo costurado com linha e entrelinha. Cada vez que volto ao texto e me deparo como uma destas cenas que citei me espanto e me alegro, como se encontrasse uma pedrinha de João e Maria no caminho de casa. Eu aprendo muito sobre mim quando leio – e quando amo o que leio ou quem leio.  

A verdade mais verdadeira é que eu admiro os sagazes, mas gosto mesmo dos honrados. Culpa dos faroestes, talvez.


Sobre o episódio 3, Lord Snow, gosto do diálogo Ned com Jaime (pra vocês verem, não gosto só do que tem no livro), gosto imensamente da forma como Ned parece desajeitado, peixe fora d’água na corte. Rústico demais, verdadeiro demais, objetivo demais. A despedida dele e Catelyn me fez chorar litros. Outro mérito que foi consolidado ao longo da série são os diálogos em dothraki. Já a dica nada sutil de que o Jorah era espião fazendo ele sair correndo logo que sabe que Daenerys estava grávida foi bem primária, né. Também não curti muito a interpretação da Velha Ama contando história, isso já deveria ter dado a dica que a série iria sempre minimizar e subutilizar os aspectos místicos e se utilizar deles só no que tange à aparência. O carão que o Jon leva do mestre de armas foi dado, na série, pelo Tyrion. Entendo que isso seja pra aumentar o tempo de tela da relação dos dois e que Peter Dinklage seja sensacional e deva sempre ser aproveitado, mas acho que a série nunca mostrou o que a Patrulha da Noite contribuiu verdadeiramente para Jon se tornar quem se tornou. Como  a série trata me parece que ele sempre seria, trata como predestinação o que foi caminhada. E a pergunta de agora foi a pergunta de sempre: CADÊ OS LOBOS?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...